Ceagesp reabre na tarde desta quarta após enchente; permissionários reclamam de lentidão dos trabalhos de limpeza

0
27

Segundo a administração da Ceagesp, os portões para descarga de mercadorias serão abertos às 14h desta quarta e fecharão às 20h, para continuidade dos trabalhos de limpeza.

A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo, a Ceagesp, confirmou que vai retomar as atividades do maior entreposto comercial da América Latina às 14h desta quarta-feira (12), dois dias depois de ser atingida por uma forte chuva que inundou a maioria dos galpões do espaço, gerando um prejuízo de R$24 milhões.

A reabertura, segundo a administração, permitirá a entrada de caminhões para carga e descarga de frutas, legumes e verduras, diminuindo a fila de veículos que desde de terça-feira (11) se forma no entorno do entreposto, causando congestionamentos na região. A entrada também será permitida para o público em geral, de acordo com a Ceagesp.

Os caminhoneiros parados na porta poderão fazer as entregas pelo portão 3 da Avenida Dr. Gastão Vidigal, e também pelo portão 13 da Avenida das Nações Unidas (Marginal Pinheiros).

A previsão é que a entrada desses distribuidores fique aberta até as 20 horas desta quarta-feira. Depois disso, o entreposto será novamente fechado e só volta a reabrir à meia-noite, retomando as atividades normalmente para o público.

A feira de pescados, que acontece entre 2h e 6h da manhã, e a de flores, que funciona a partir da meia-noite no portão 7, ocorrerão normalmente, segundo a empresa.

“A partir da quinta-feira, a previsão é ficar com entrada aberta 24 horas, até que o processo de abastecimento de mercadorias se normalize”, disse o comunicado oficial divulgado nesta manhã.

Caminhões ficaram em meio à água no estacionamento do Ceagesp, na Zona Oeste de São Paulo — Foto: André Penner/AP
Caminhões ficaram em meio à água no estacionamento do Ceagesp, na Zona Oeste de São Paulo — Foto: André Penner/AP

Reclamações

Os permissionários da Ceagesp também divulgaram nesta manhã uma carta de reclamação contra a administração do espaço. No texto, a Associação de Permissionário do Entreposto de São Paulo critica a forma como os trabalhos de limpeza e reparos para a reabertura do local estão sendo conduzidos.

A principal reclamação é em relação à permissão de entrada de funcionários e colaboradores que fariam reparos nos boxes atingidos pela chuva, que está proibida desde terça-feira (11).

O grupo também reclama da falta permissão para que guinchos e seguradoras possam entrar e remover os cerca de 250 caminhões que ainda estão quebrados dentro dos galpões e só podem ser removidos com ajuda externa.

“Estamos vivenciando um caos diante de informações contraditórias fornecidas pelas mais diversas áreas internas da Ceagesp, que ora permitem o ingresso de guinchos, ora permitem a saída de caminhões, ora não(…) Nesta madrugada, as pessoas que trabalham nas empresas associadas foram literalmente impedidas de adentrar aos mercado, gerando tumulto, insegurança, momento que se percebeu que mecânicos, empregados de seguradoras, terceirizados que pretendiam dar continuidade ao reparo de câmeras frias, sistema elétrico dos boxes, igualmente não puderam iniciar seus trabalhos”, diz a carta.

Os caminhoneiros que ainda dormem dentro do espaço desde domingo dizem que o próprio trabalho de limpeza da Ceagesp foi paralisado durante a madrugada, o que pode, segundo a associação de permissionários, atrasar ainda mais a normalização das atividades no entreposto.

“O número de profissionais realizando a limpeza do Entreposto, o número de caçambas, de máquinas retirando o lixo é claramente insuficiente para que o mercado volte ao seu cotidiano”, reclama a associação.

Ceagesp calcula em R$ 24 mi o prejuízo com a enchente
Ceagesp calcula em R$ 24 mi o prejuízo com a enchente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui